quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

UMA NOVA REFORMA ?


 

               Quando olhamos para história da Igreja e principalmente para a reforma protestante, ocorrida em 1517, ou seja, há mais de 500 anos, vemos um período em que os modismos cometidos pela Igreja foram combatidos com toda ousadia, foram rejeitados e denunciados pelos reformadores. Esse período foi marcado também pela venda de benções espirituais e pela supersticiosidade religiosa.  Os cristãos que antes eram conhecidos pelos textos de João 03:16 ou Mateus 11:28  que centralizavam sua mensagem na cruz de Cristo, que pregavam a Salvação e o arrependimento, hoje se veem ameaçados, pois ser evangélico passou a ser status. Interpretam de maneira errada o texto de Filipenses 04:13, transformando textos em dinheiro para conseguirem o que querem, e infelizmente não podemos tapar o olho e fazer de conta que isto não está acontecendo.

O protestantismo combateu ousadamente essas aberrações e hoje esse mercantilismo medieval, que pregava a venda de indulgências, levanta-se das cinzas arrastando incautos com uma promessa cheia de benesses na terra e, depois a vida eterna. Temos vistos muitas igrejas que utilizam e vendem elementos de toque para que as pessoas alcancem benções divinas. Graças a Deus que não acharam o madeiro da cruz se não teríamos muitos vendendo os pedaços por troca de uma benção. Esse é somente um de vários exemplos da troca da essência do evangelho por uma comercialização religiosa deixando de lado o real propósito do evangelho.

Muitos ministérios criados da noite para o dia vivem de oba-oba, jeitos e trejeitos tentando maquiar a ação do Espírito Santo. Esses modismos tem preocupado muitos lideres evangélicos que procuram levantar sua voz contra essas aberrações. Por isso Paulo diz: “Ninguém vos engane com palavras persuasivas” e Pedro Cap. 5.2-3 completa: “Apascentai o rebanho de Deus que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente, nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto, nem tendo domínio sobre a Herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho”.

Precisamos dar mais ênfase à sabedoria de Deus, à pecaminosidade do homem, à graça do Senhor Jesus e à Regeneração pelo Espírito Santo. Não precisamos de nova unção, mas sim voltar ao princípio da palavra.  Será que a igreja não precisa passar por uma nova reforma? Analise e reflita.                                                                                                                                                Autor: Elizeu Lima

 

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Caso renascer- Passando a limpo


Há poucas semanas fomos surpreendidos com o caso do desabamento da Igreja Renascer em Cristo, que lamentavelmente deixou nove mortos e mais de 100 feridos. Mas este não é o primeiro caso de desabamento de igreja. Segundo os órgãos de imprensa, a igreja tinha algumas infiltrações e foram encontrados até cupins entre os escombros, e o mais grave é que a empresa que fez os forros não tinha registro junto ao CREA. O que é estranho é que a Igreja tinha liberação para o seu funcionamento, sendo que num primeiro momento foi interditada e depois liberada pelos órgãos competentes.
Hoje em dia há, no Brasil, um número cada vez maior de igrejas, haja visto que é muito fácil efetuar a abertura de uma. Isso é positivo, pois quanto mais igrejas houver, mais pessoas serão alcançadas pelo Evangelho e isso vai impactar a sociedade, também de forma positiva, pois um drogado que entrega sua vida a Cristo e se afasta das drogas vai ser uma benção para a comunidade, ao invés lixo de um estorvo. Esse aspecto, infelizmente é pouco divulgado, porém quando surgem escândalos, como o caso citado no início, a igreja como um todo é bombardeada e as manchetes dos jornais são grandes e notórias.
É claro que deve haver responsabilidade dos líderes cristãos, e a lei tem que ser executada, e os culpados punidos. A Bíblia afirma que tudo o que semearmos, também colheremos. Se plantarmos arroz não vamos colher milho, ou seja, cada um vai colher o que plantou. O que não podemos aceitar é falar contra a Igreja de Cristo, generalizando, como se todos fossem iguais. Jesus diz que o inferno não prevalecerá sobre sua Igreja.
Para finalizar, gostaria de dizer que ao alugarmos um templo, devemos tomar cuidados quanto à liberações dos bombeiros, da prefeitura, do CREA e dos órgãos competentes. Se possível deve ser feita uma avaliação por um profissional habilitado tanto na área de engenharia,arquitetura ou um técnico em segurança do trabalho.
Se tomarmos cuidados sem duvida não teremos caso como o da Renascer e tantos outros. Não esqueça, a prevenção é o melhor remédio.
Autor: Elizeu Lima